Nesta demanda de me organizar melhor e, desse modo, gastar menos dinheiro e manter-me saudável, decidi ser moderna e um pouco hipster e aderir ao meal prep, abreviatura de meal preparation. Que é como quem diz, “foca-te e faz tudo com antecedência.”

É isso que tenho feito nas últimas semanas e, garanto-vos, tenho poupado razoavelmente bem, o suficiente para a chatice que é ter que parar, pensar no que vou comer a semana toda e cozinhar a preceito.

Como não estou aqui para enganar ninguém, para mim, a meal prep não é uma coisa que faça com alegria. Já os resultados, esses sim, deixam-me alegre. Ora, vamos por partes.

Benefícios da meal prep

  • Controlar gastos e porções: para quem, como eu, gosta de enfardar à bruta e, de seguida, tem que “ouvir” a sua gastrite, comer menos e bem é uma maravilha. Além da óbvia poupança (por muito que me tente convencer de que “há sítios para almoçar que são muito em conta”, ir ao supermercado é bastante mais barato), o meu corpo agradece.

 

  • Não ceder às tentações do supermercado: não gostando de cozinhar, é bastante estranho que adore ir ao supermercado. E mais estranho ainda é gastar sempre mais do que devia, talvez por, inconscientemente, achar que o mais sensato é construir um bunker em casa, não vá dar-se uma desgraça e sem comida é que não se pode ficar. Seja o que for, pensar e planear refeições ajuda-me a comprar apenas o que preciso (com mais uns pózinhos ou outros, vá) e, mais uma vez, poupar.

 

  • Não desperdiçar: este é um tema que me toca. É talvez aquele que mais rapidamente me fez aderir a esta forma de organização, tal como vem explicado nos pontos 1 e 2: não gostar de cozinhar mas gostar de ir às compras só podia dar em comida estragada. E como a consciência é uma coisa belíssima e lixada ao mesmo tempo, cansei-me de deitar coisas fora por falta de organização. Saber com antecedência o que vou comer obriga-me também a pensar o que fazer com os restos, com o que sobra, de que modo podem vir a ser reutilizados.

 

  • Não perder tempo: sobretudo de manhã, é pegar na marmita e meter no saco. No limite, é passar de um pirex para a marmita e, basicamente, é isto. Tempo, minha gente, tempo, esse bem precioso.

 

  • Mais variedade: planeando, escuso de andar sempre a comer pizza (adoro!), fast food (adoro!), sopa requentada (adoro menos), pão com manteiga (adoro!) e tudo o que a Uber Eats pudesse trazer. Resultado: menos gastrite, mais dinheiro e muito mais variedade e opções saudáveis.

 

  • Maior sensação de dever cumprido: não é que isto seja a tropa, mas chega a uma altura na vida em que sabemos que há coisas que temos de fazer, gostemos delas ou não. Estas, para mim, são algumas delas. Cumpri-las dá-me uma sensação boa, quentinha, de, passo a passo, estar a cuidar de mim.

 

E vocês? Já aderiram a isto? Sou a última a chegar? 🙂

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *