Ora cá estamos de novo para menus fofinhos e simples. Esta semana, optei por receitas de tacho, que é como quem diz, “receitas-que-se-fazem-em-casa-dos-pais-e-sabem-sempre-bem-embora-na-minha-casa-nunca-saibam-ao-mesmo”. São aqueles sabores caseiros, emocionais, que nos levam à infância e ao tempo em que sentar à mesa significava que alguém já tinha tratado do assunto e que bastava apenas comer.

Mas como hoje em dia a coisa não se dá dessa forma, cá está o Liiv Bistrô para vos ajudar a todas. E a mim também.

 

Segunda-feira

Carne estufada, ou, como se diz em minha casa, carne com molho cor de laranja, que é o tom do molho da carne misturado com as cenouras. Eu sigo esta receita da Teleculinária, que é muito fácil. Podem fazê-lo no tacho, sempre a baixa temperatura e preparem-se para a deixar cozinhar umas horas valentes. Se tiverem panela de pressão, tanto melhor, é mais rápido e a carne mantém os sucos e fica mais tenra. Repararam no uso da palavra “sucos”? Quem sou eu? Credo! LOL

 

Terça-feira

Frango no tacho com massa é capaz de ter sido a receita que mais fiz até hoje. Dir-se-ia que tanta prática já teria levado à perfeição. Pois, não. Tem dias que continua a sair sensaborona mas pronto, é a vida. Não é pela dificuldade da receita, da Joana Roque (de quem sou fã!) é mesmo porque eu sou uma naba. Mas quando sai bem, é muitoooo bom. Eu uso o molho de tomate da Quinta do Arneiro, que é o melhor do mundo, e, acreditem, faz muita diferença.

 

Quarta-feira

Só para não dizerem que nunca há receitas de peixe, que é mentira porque há um Liiv Bistrô só com peixinho do bom, aqui fica uma receita de Garoupa no Tacho que faço raramente mas que tem resultado bastante bem. Sobretudo porque é daquelas em que é só meter tudo lá para dentro e já está. Da receita, não uso as sultanas nem os pinhões. Dispenso. O segredo desta receita está nas ervas. Usem e abusem.

 

Quinta-feira

O clássico lombo de porco, que dá para casamentos, como parte de uma ementa mais simples, ou para jantares lá em casa, quando é preciso acertar na dose e não há tempo, nem pachorra, para fazer nada mais elaborado. E resulta sempre porquê? Por causa do caldo Knorr, que salva pratos e eventos com amigos porque me impede de inventar nos temperos e dar às pessoas uma mistela intragável. Não só uso o caldo, como uso a receita. Super, super fácil.

 

Sexta-feira

Esta última receita tem um sabor especial. É a receita de arroz da minha avó Aurora, que antes do Natal decidiu juntar-se ao meu avô, mas deixou-me no coração este arroz maravilhoso. A receita diz que é da Avó Isabel, mas é igual à que aprendi a fazer com a minha Aurora. E duas avós juntas são imbatíveis. Espero que gostem. Não tem fotografia porque a tenho guardada em mim.

 

E é isto. Receitas de tacho que queiram partilhar, alguém tem?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *