Quando se vive com ansiedade, depressão ou outra dor psíquica, mesmo que não diagnosticada, a condicionante de acharmos que não podemos falar do assunto torna-o ainda maior e mais pesado. O estigma associado às doenças mentais é das coisas mais cruéis e ignorantes desta nossa sociedade moderna.

Afastamos tudo aquilo que nos parece estranho, que nos desconforta e não sabemos lidar. Afastamos as pessoas que já sofrem e enviamo-las para um inferno privado e ainda mais escuro. Felizmente, e porque as redes sociais não servem apenas para ventilar ódios e zangas, há pessoas com psicodiagnóstico que fazem mais pela luta contra o estigma que todas as campanhas juntas.

São corajosas, bravas e falam das suas condições sem pejo e com o intuito de levantar o manto que cobre estes temas. Ao terem mais arrojo que todos nós, falando da sua vida com uma doença mental, ajudam outros que ainda não conseguem expressar-se a sentirem-se menos sozinhos. Ao mesmo tempo, ensinam-nos a ser mais empáticos e a não temer as coisas que não compreendemos.

Aqui ficam eles.

Joana Lima – A Minha Mente

A Joana já colaborou connosco na newsletter e esperamos que possa estar mais presentes nos próximos tempos. O modo como ela aborda a sua vivência com depressão deixa-me a pensar que, tantas e tantas vezes, bastava que cada um se acomodasse um bocadinho para que todos vivêssemos melhor. Ela é uma presença brilhante, simpática, honesta e real. Visitem-na, não se vão arrepender.

Scott Marie – Depression to Expression

Ver um homem a falar destes temas é ainda mais raro. Por razões que não se entendem, o estigma associado ao masculino é ainda maior, provavelmente porque “um homem não chora”, que é a frase-chave da cartilha commumente aceite sobre o que significa ser homem. Com um diagnóstico de depressão e distúrbio de ansiedade, é um ativista que desafia a que se pense a saúde mental de forma mais aberta e menos manchada de preconceito e ignorância.

Kati Morton

A Kati não tem psicodiagnóstico mas é psicoterapeuta. A sua abordagem ao tema é informada mas pouco “medicalizada”, ou seja, fala sem jargão e de forma a que todos possam compreender as valiosas dicas e explicações sobre psicopatologias e saúde mental. O seu canal é um manancial de informação valiosa que pode servir para quem está doente ou para quem é cuidador. Não deixem de visitar.

Mother´s Mind

Este é um projecto português ainda muito recente mas muito promissor. As suas fundadoras apontam a sua energia para a maternidade e para a melhor forma de ajudar as mães a gerir as suas emoções e expectativas no caminho de formação de uma família. Estejam atentas porque elas são activas e muito boas.

Fotografia: Istockphoto

One Reply to “YouTubers que falam sobre saúde mental: uma ajuda preciosa”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *